Parceria fortalece APACs

Parceria fortalece APACs

A partir de agora, as Apacs de Itaúna, São João del-Rei, Pouso Alegre e Nova Lima poderão ter até...

Campanha arrecada mais de dois mil itens de higiene para recuperandas

Campanha arrecada mais de dois mil itens de higiene para recuperandas

“Eu nunca tive medo de errar com ninguém. Hoje tenho receio de decepcionar as pessoas que me...

APAC de Manhumirim recebe primeiros recuperandos

APAC de Manhumirim recebe primeiros recuperandos

No dia 13 de outubro, a APAC de Manhumirim recebeu os primeiros recuperandos. Firmado convênio de...

DEPEN E DEPEN-MG na APAC de SJDR para acompanhar aquisição de equipamentos de saúde

DEPEN E DEPEN-MG na APAC de SJDR para acompanhar aquisição de equipamentos de saúde

Na quarta-feira (07), recebemos servidores do Departamento Penitenciário Nacional e de Minas...

CRS da APAC de Itabira é inaugurado

CRS da APAC de Itabira é inaugurado

O Centro de Reintegração Social (CRS), da APAC de Itabira, foi inaugurado no dia 16 de outrubro....

Recomendações importantes da FBAC

1. Novas APACs poderão constituir-se juridicamente, tendo como modelo padrão o estatuto fornecido pela FBAC - Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. Observa-se que não se criam APACs por decreto, ou seja, pelo simples desejo desta ou daquela autoridade. A APAC é o resultado do esforço da sociedade civil organizada que ao tomar consciência do problema prisional, resolve alterá-lo.

2. A APAC é obra de Deus e irá perdurar no tempo enquanto não tiver donos.

3. O método APAC, por diversas razões não agrada a todos, sobretudo àqueles que certamente irão ter seus interesses contrariados.  Em face desta assertiva, deveremos sempre não impor o método APAC a ninguém, esforçando-se sempre para conquistar a todos pelo testemunho e resultados.

4. A APAC não é um modelo de recuperação de presos, mas sim uma alternativa viável que estamos oferecendo gratuitamente ao Estado de Minas, aos demais Estados da Federação e aos outros países, cujo método poderá ser aplicado na sua totalidade, em Centros de Reintegração Social, sem o concurso da polícia ou parcialmente em pavilhões de unidades prisionais com a polícia.

5. A comunidade poderá construir prisões denominadas Centro de Reintegração Social – APAC, nunca superior a 200 vagas (compreendidos os três regimes), o que não modifica a obrigação constitucional do Estado de construir, equipar e manter as prisões. Salienta-se que em qualquer situação, antes de uma APAC assumir a administração do C.R Social sem o concurso das polícias, a FBAC deverá ser consultada para verificar se tudo está de conformidade para o bom êxito da proposta (segurança, preparação dos voluntários, treinamento de funcionários, manutenção, recuperandos estagiários, etc.).

6. As APACs poderão auxiliar o Estado nas difíceis tarefas ligadas à execução penal, incluindo a administração de presídios, desde que o Estado concorra com os recursos necessários para a manutenção do estabelecimento. Uma APAC não deverá assumir a administração de um CRSocial sem o concurso da Polícia, sem que antes tenha clareza de como se dará a manutenção (alimentação, pagamento de funcionários, despesas com água, luz, telefone,etc.).

7. As APACs poderão estabelecer parcerias com outras instituições, para atingir seus objetivos, não cabendo a umas e outras, no entanto, complementar os recursos repassados pelo Estado para manutenção do presídio, pois as contribuições angariadas junto à comunidade e às prefeituras deverão ser destinadas a ampliação da assistência aos presos e a seus familiares e às vítimas, já que o voluntariado e as entidades parceiras integram o trabalho da APAC para aprimorá-lo, e não para isentar o Estado de suas responsabilidades.

A APAC defende o princípio de ser o preso um problema social, devendo, portanto, ser assumido por todos, em razão do que não defende a “auto-sustentação” ou a “auto-manutenção” das APACs, pois a sua missão primordial é a socialização do preso, e propõe, ao contrário, que os convênios com o Estado prevejam valores suficientes para a manutenção das APACs, respeitados os princípios da moralidade e austeridade no trato com o dinheiro público.

8. O Método APAC consiste na aplicação de 12 elementos fundamentais, um dos quais trata-se do Educador Social (voluntários e funcionários).O trabalho é desenvolvido na sua quase totalidade, pelos voluntários, entretanto, quando as APACs assumem a tarefa de administrar Centros de Reintegração Social sem o concurso das Polícias Militar, Civil ou agentes penitenciários, necessário se faz a contratação de um mínimo  de  funcionários  com salários  justos  e compatíveis, designados para o setor administrativo. A FBAC abomina toda e qualquer forma de nepotismo e é sempre de bom alvitre que os funcionários a serem contratados já tenham um conhecimento prévio do método e que já tenham uma atuação na condição de voluntários. Fácil deduzir que a tarefa do voluntário é aplicar gratuitamente o método e não substituir funcionários. Acrescenta-se ainda que o número de funcionários e suas respectivas funções poderão variar de conformidade com o número de recuperandos, tamanho do espaço físico do C. R. Social e tempo de funcionamento. Uma APAC forte depende da preparação e do treinamento dos seus educadores sociais.

9. Outro elemento fundamental do método é o trabalho. Neste sentido o mesmo tem três enfoques diferentes. No regime fechado o objetivo do trabalho é a recuperação dos valores. Despertar a auto-estima, potencialidades, senso de estética e criatividade. A ênfase deverá ser o trabalho artesanal, o mais diversificado possível. Conclui-se que o trabalho no regime fechado não tem por objetivo a obtenção de lucro ainda que algumas peças possam ser vendidas pelos recuperandos e com isto pagarem pequenas despesas pessoais e ajudar suas famílias. O trabalho no regime semiaberto, assim como no regime fechado também não objetiva o lucro. A finalidade desse regime é a profissionalização.  Tendo por premissa alguns aspectos da psicologia do preso, a alta rotatividade dos recuperandos e a questão disciplinar, é preciso cuidar para não transformar o regime semiaberto numa empresa, pois isto poderia levar ao desvio do método. Importante destacar que a FBAC não defende a experiência das prisões privadas, pois além de terem por objetivo principal o lucro, os índices de reincidência superam a marca de 60%. O regime aberto é o momento da inserção social. Ao final é preciso frisar que a prioridade do método APAC deverá ser sempre a recuperação do preso, nunca objetivar lucros visando à auto-sustentação da Entidade.

10. As APACs devem manter a unidade e fidelidade máxima à metodologia, inclusive, logotipo, cores, hinário, sigla, etc.

Editais recentes

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 001-2020-MG - FBAC

30-10-2020

A FBAC - FRATERNIDADE BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AOS CONDENADOS, no uso de suas atribuições, com...

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 004-2020 - APAC CONSELHEIRO LAFAIETE (UNID. FEMININA)

29-10-2020

A APAC – Associação de Proteção e Assistência aos Condenados de Conselheiro Lafaiete/MG (Unid. Feminina),...

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 004-2020 - APAC DE ARCOS

27-10-2020

A APAC - Associação de Proteção e  Assistência aos Condenados de Arcos/MG, no uso de...

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 006-2020 - APAC PATROCÍNIO-MG

26-10-2020

A APAC – Associação de Proteção e Assistência aos Condenados de Patrocínio/MG, no uso de...

Leia mais

Agenda da FBAC

Parceiros

  • assmg.jpg
  • avsi.jpg
  • avsibrasil.jpg
  • governoMA.jpg
  • isvor.jpg
  • logogoverno.png
  • melt.jpg
  • MinaspelaPaz.jpg
  • mpmg.jpg
  • Novos rumos.jpg
  • seapmg.jpg
  • senac.jpg
  • sociedadebiblicadobrasil.JPG
  • tioflavio.jpg
  • tjma.jpg
  • tjmg.png
  • UE.jpg